- Che Guavira - sítio literário

sábado, 6 de agosto de 2016

Suplemento-revista dominical de El espectador, Bogotá

Coleção de cartão-postal de Joanco

 





Crônica buenairense de Ramão
Ramão e Emiliana estiveram em Buenos Aires e Montevidéu, via Foz do Iguaçu, neste final de julho. Estarei lá em setembro. Vejamos as impressões de Ramão.
Disse que a situação lá não está boa. Aqui está muito melhor. A carne é sempre mal-passada, quase crua, sem sal nem outro tempero, que a fama do churrasco de lá é só propaganda mesmo. Que lá a comida é muito ruim.
Dar um desconto, pois Ramão é muito delicado e restrito com comida.
Mas disse que foi aos melhores restaurantes, os mais indicados do pacote.
Buenos Aires não tem problema com violência urbana. Se pode passear com tranqüilidade. Já Montevidéu, cidade muito menor, é bem pior quanto a assalto e golpe.
Quando chegaram a Montevidéu o ônibus ficou na rua. O pessoal foi avisado pra não deixar as coisas no ônibus mas sempre tem os sabichões. As vidraças foram quebradas na madrugada e roubaram algumas coisas.
Toda a baía do rio da Prata está muito poluída. Diz que não dá nem pra pôr o pé na água. Mas isso não é crime ambiental? Quando vaza petróleo ou tomba um camião de carga química o mundo inteiro faz um escarcéu… Mas os poderosos podem…
Em Buenos Aires táxi é muito barato. Diz que porque é a gás. Mas tem de pegar os que vão passando. Diz que os que estão parados no ponto são mafiosos.
O lojista argentino é muito grosseiro. Todo produto que tem na loja não se pode tocar, pois já vem o vendeiro vociferando No no no no! Preferem ficar sem cliente que ter cliente que toca nos produtos.
Espero que não seja assim nas livrarias. Como saber do quê se trata um livro?
Se está atendendo um cliente, nem olha ao lado. Os outros que chegam ainda não existem. Não adianta chamar, gesticular. És uma alma-penada vagando ali.
A situação está tão ruim que nos hotéis o desjejum é racionado. O café, torrada, suco, iogurte a vontade. Queijo, salame e croassã (meia-lua) dois pra cada pessoa.
Se sabe que o turista argentino de maior renda vai ao nordeste. Os de menor renda vão ao Brasil sul, pois é ali perto. Então o povo de lá se esbalda ao desjejum dos hotéis brasileiros, com aquela famosa mesa de quantidade e variedade, sem falar no famigerado esmorgasbor, que vem do sueco smörgåsbord, que pronuncia smêurgosbord, um café-da-manhã com 70 itens. Diz que os hoteleiros brasileiros procuram discretamente evitar que os hóspedes argentinos acessem o desjejum com sacolas, bolsas, porque tentam levar o possível.
Mas o pessoal é mais culto mesmo. Grosso mas culto. Os cinemas formam filas enormes. Todo mundo comportado.
É engraçado como cada país tem certas aficções específicas. O mexicano é fissurado em luta-livre. Até os super-heróis do cinema e do gibi são lutadores, como o Santo, que não é o Santo dos contos policiais de Leslie Charteris, mas um lutador mascarado sem-camisa, corpanzil, e outros similares. Na Venezuela o concurso de misse é paixão nacional, como o futebol no Brasil, tem até curso específico, não como no Brasil, onde a guria é bonita e leva jeito, se inscreve e pronto. No Chile o Teleton é acontecimento nacional.
Os guias turísticos são bem linha-dura. Se é pra passar tal hora, se o turista não estiver esperando fica a ver navio. Bom… Isso não é linhadurismo… Diz que, por exemplo, a guia explicando:
— Este rótulo é uma vinícola…
E a turistarada brasileira no maior bate-papo. Então um conversador pergunta:
— Da vinícola qual?
— Isso já expliquei!
E continua a ladainha.
Tá errada? Claro que não. Acabam ficando assim por causa de turista mal-educado. Brasileiro é muito folgado e reclamão. Ramão conta dessa e doutras viagens, colegas de pacote que se comportam como se tivessem 8 anos de idade.
E como desperdiçam. Uns só porque estão bem de vida. Por exemplo: Se tem vários tipos de lingüiça. Cada uma que pegar pagará. Pega uma de cada, só pra experimentar uma pontinha de cada, e deixa tudo no prato.

Nenhum comentário:

@templatesyard