- Che Guavira - sítio literário

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Neste número de O lobinho enviado por Joanco, que estou restaurando pra postar, tem esta propaganda. Parece que ninguém conhece a coleção nem a personagem Quinquim. Esta é uma missão pra Nabil Kid.
Cogitei ser um nome antigo de Gastão (Como Huguinho, Zezinho e Luizinho, que no começo eram Dico, Nico e Tico), mas foi criado em 1948. Silva, outro rival de Donaldo, foi criado em 1943.
Joanco perguntou ao amigo Clóvis, especialista em quadrinho antigo, que também não conhece.
Isso é que é raridade!
● Então, segundo os comentaristas, a copa é o maior espetáculo da Terra? Nunca ouviram falar num tal Carnaval?
● É bom o pessoal se preparar. Um dia acontecerá o Brasil não se classificar à copa, o que é muito normal.
● Por que se tem de ganhar só porque a copa é em casa? Alemanha não ganhou em casa em 2010 e isso não virou drama nacional. Esse negócio de trauma de maracanaço é coisa de povo imaturo, infantil. Chorar por causa de time desportivo é ridículo, a não ser que ele seja seu sustento, seu ganha-pão. Os eventos têm de ser, acima de tudo, um pretexto pra confraternização. Que bom que o vexame foi só do time. O evento foi um sucesso, e é isso o que importa.
Aliás nem é de bom-tom o time da casa ganhar. Deveria ser hors-concours, concorrente-honorário, pois há muito que já está na cara que time da casa é ajudado. Tanto está manjado isso, que o pessoal caiu em cima. Se o Brasil ganhasse seria pior.
E ainda vem a olimpíada, com todos seus falsos valores.
Sejamos apaixonados por cultura, educação, segurança e saúde. Tenhamos orgulho de formar os melhores cientistas e professores. Que esses eventos puramente físicos sejam relegados a seu lugar devido: Um evento qualquer, simplesmente, não prioridade mundial.
Pois a verba que sobra aos deputados, falta às escolas. Celebridades ocas ocupam espaço de talentos que permanecem ignorados. O prestígio exagerado que se dá a Messi é mais um escritor talentoso que permanece ignorado, pois o que se dá lá falta cá, e vice-versa.
● Imagino no futuro uma variedade de táxi sem o taxista. Nos pontos desse autotáxi ficariam os carros. Bastaria passar um cartão. Então se o usaria o quanto tem de crédito no cartão.

  

Um comentário:

  1. Pessoal, tá difícil saber quem é esse personagem. Não encontro nenhuma referência.

    ResponderExcluir

@templatesyard