domingo, 29 de janeiro de 2023

John Alva Keel, Operação Cavalo-de-tróia

John Alva Keel - Operação Cavalo-de-tróia.pdf

 John Alva Keel - Operação Cavalo-de-tróia.docx (Sem revisão)

 John Alva Keel - Operación Caballo de troya.pdf (Sem revisão)

John Alva Keel - Operation Trojan horse.pdf (Sem revisão)

 

Não confundir com o título homônimo do picareta JJ Benítez

A tradução do livro de John Alva Keel, que junto com as obras de Jacques Vallée, é essencial pra compreender o fenômeno ufo. Um dos tantos livros que muitos iutubeiros, supostos pesquisadores, conhecessem se poupariam dizer tanta bobagem.

O autor, cuja profissão era jornalista, usou método científico, cruzando estatística pra achar padrão no fenômeno, e assim o desvendar. Chegou muito perto, roçando a realidade ufo. Mas a filiação à ciência oficial, que mantém as ciências psíquicas como tabu pra não desvendarmos o fenômeno, o impediu de desvendar tudo. A ignorância em ocultismo, que prejudicou Carl Sagan e Jacques Bergier, por exemplo, o deixou a centímetros de agarrar a presa.

É admirável a inteligência do autor, pois dada sua formação profissional, a complexidade do tema, o dogmatismo da ciência oficial e o mar de desinformação reinante entre os ufólogos (até hoje), esclareceu tanto tema tão obscuro.

Pus muitas notas-de-rodapé pra ajudar o leitor a cruzar dado e fazer analogia

Eis trechos que selecionei, sem as notas-de-rodapé:

O fenômeno ufo é na verdade uma encenação cósmica impressionante, pilhéria perpetrada por entidades invisíveis que sempre se deliciaram em assustar, confundir e enganar a raça humana. As atividades dessas entidades foram cuidadosamente registradas ao longo da história. Nos apoiaremos fortemente nesses registros históricos neste livro.

 

O livro inspirado (escrito por assombração) Oahspe, de John Newbrough, martela o tema assexual, alegando que os grandes líderes da humanidade primitiva não tinham sexo, assim como os grandes anjos. Essa condição é chamada de iesu, definida assim em Oahspe:

Uma pessoa sem sexo, sem possibilidade de paixão sexual. Alguns homens, como Brama, atingem iesu. Inapropriadamente chamado iesus. A palavra hebraica ieue derivou de iesu, quem pode ouvir a voz do grande espírito. Ieue foi indevidamente confundido com lehovih. Se diz que os homens que atingem iesu atingiram o estado-de-mulher: Mudaram de sexo.

Líderes como Alexandre Magno eram suspeitos de serem homossexuais ou assexuais. Um culto religioso muito grande ainda existe (na União Soviética, em todos os lugares), que se baseia na crença de que os assexuais acabarão governando o mundo. Homens no culto são deliberadamente castrados. O ex-primeiro-ministro soviético Jorge Malenkov era supostamente um membro desse grupo. Sua masculinidade, ou a falta dela, foi acaloradamente debatida em vários livros. Há uma desenfreada campanha dedicada a documentar e combater o que afirmam ser uma conspiração homossexual pra dominar o mundo.

 

O fenômeno ufo é freqüentemente reflexivo: As manifestações observadas parecem ser deliberadamente adaptadas e ajustadas às crenças individuais e atitudes mentais das testemunhas. Tanto os objetos quanto os tripulantes parecem ser capazes de adotar uma infinidade de forma. Os contatados geralmente recebem informação conforme suas crenças. Pesquisadores ufológicos que se concentram num aspecto ou teoria em particular são inundados por relatos aparentemente confiáveis que tendem a fundamentar essa teoria. Minhas experiências extensas com esse fator reflexivo me levaram a realizar experimentos estranhos que confirmaram que grande parte dos dados relatados é projetado e deliberadamente falso. A testemunha não é autor mas vítima da fraude.

Os propósitos aparentes de todos esses dados falsos são múltiplos. Muito disso é destinado a criar confusão e diversão. Algumas serviram pra sustentar certas crenças errôneas mas que serviriam como trampolim à verdade mais elevada e mais complexa. Gerações inteiras nasceram e morreram acreditando alegremente nos dados falsos, sem saber que eram meros elos da cadeia. Se entendêssemos tudo muito cedo, desmoronaríamos sob o peso da verdade. Primeiro foi necessário erigir o ego do homem pra o fazer crer ter valor no todo cósmico. Assim, mentiras contendo verdades veladas foram espalhadas entre nós, e eventos foram encenados pra fazer essas mentiras parecerem válidas. Muitos homens, brilhantes estudiosos e filósofos, viram claramente a verdade durante séculos. Bibliotecas de todo o mundo estão repletas de livros detalhando sua descoberta. Mas suas verdades se perderam nas ondas da crença organizada.

 

Em vez disso, acredito que o fenômeno ufo é principalmente de origem eletromagnética e com capacidade de ajustar feixes-de-energia eletromagnética a qualquer freqüência, variando de sinais-de-rádio de freqüências ultra-altas (UHF) como os dos espaçonautas, a freqüências muito baixas (VLF), que pode ser captado apenas por equipamentos especiais, a freqüências muito baixas idênticas aos campos magnéticos que cercam fio telefônico ou saída de sistema de endereço público em escola e igreja.

Também creio que esse fenômeno é flexível em grau inacreditável. Pode criar e manipular matéria através de campo eletromagnético acima e abaixo do alcance de nossa percepção e equipamento técnico.

O fenômeno é principalmente invisível pra nós porque consiste em energia e não em matéria terráquea concreta. É guiado por uma grande inteligência e se concentrou nas áreas de falhas magnéticas ao longo da história. Fica visível pra nós de vez-em-quando, manipulando padrões de freqüência. Pode assumir a forma que desejar, desde avião até gigantesca nave espacial cilíndrica, se manifestar em entidade aparentemente viva que varia de anão verde a ciclope. Mas nenhuma dessas configurações é a verdadeira forma.

Os dados sobre avistagem a ufo confirmam essa teoria, mas não temos a tecnologia necessária pra o provar.

 

Não. A verdade vai noutra direção. Os contatados de 1897 a diante contaram o que ouviram dos ufonautas. Os mentirosos são os ufonautas, não os contatados. Mentem deliberadamente como parte da desconcertante cortina-de-fumaça que estabeleceram para encobrir a verdadeira origem, propósito e motivação.

 

É grande a chance de que os ufos venham de nenhum desses lugares, assim como os grandes dirigíveis de 1897 não saíram dum laboratório secreto em Nebrasca. Esses nomes são plantas, não planetas. O que quer que os ufos fazem, o fazem em escala mundial, e é inevitável que entrem em contato com alguns de nós de vez-em-quando, acidentalmente ou por projeto. Quando esses contatos ocorrem, deliberadamente distribuem informação falsa e ridícula. Exploram nossa crença e se escondem com segurança atrás da credulidade limitada de nossos cientistas e governos. É hora de ficarmos espertos com esse simples truque psicológico. Nos manipulam há séculos.

 

Em vez disso, parece que esses eventos estão concentrados em áreas-de-base e são apenas um efeito colateral doutras coisas despercebidas que ocorrem lá. Pequenas áreas confinadas em todo o mundo parecem ser assombradas século após século por entidades maliciosas capazes de adotar qualquer disfarce, que controlam os objetos materiais e que podem produzir qualquer tipo de manifestação. Nossa disposição pra aceitar as teorias sobre fantasmas inquietos é baseada em nossa necessidade inspirada pelo ego de acreditar na imortalidade da alma ou espírito humano. Os ultraterráqueos podem reconhecer essa necessidade e perversamente tirar proveito de nossas crenças, adaptando suas manifestações pra que pareçam apoiar nossas convicções religiosas.

 

Não acredito que alguma dessas pessoas esteja sofrendo diretamente de insanidade clínica. Em vez disso, as evidências parecem indicar que suas mentes são manipuladas por uma influência exterior e que, às vezes, seus intelectos são incapazes de digerir as informações que recebem, e sua estrutura emocional é incapaz de manter estabilidade diante dessas experiências. Então, algumas dessas pessoas desmoronam sob a tensão, ou na melhor das hipóteses, interpretam muito mal esses eventos. A confabulação induzida produz memórias de experiências que são convincentemente reais, e uma reação-em-cadeia de respostas emocionais cria um fanatismo irracional. Essas pessoas abandonam o emprego e dedicam todo o seu tempo e pensamento a espalhar o evangelho do povo do espaço. Seus relacionamentos familiares se desintegram porque todas suas energias são canalizadas numa direção. Se tornam mártires de sua causa, seja a chegada eminente dos grandes irmãos, a segunda vinda do cristo ou, como no caso dos entusiastas ufológicos convencionais, tentando convencer o mundo de que os discos-voadores são reais e extraterráqueos.

 

Como nossos venusianos de cabelo longo são apenas impostores travessos, não ousam pousar no gramado da Casa branca. Se um disco-voador maravilhoso varrer a praça Times lotada na véspera de ano-novo e pousar com suas luzes brilhantes piscando e as antenas girando, e um intimidante sujeito como Michael Rennie desfilar na rampa em traje espacial metálico justo, diante das multidões e das câmeras-de-tevê, é mui provável ser levado ao Pentágono e nunca mais ser visto. E um general, ou o presidente, daria uma entrevista coletiva e revelaria sobriamente que a coisa toda foi apenas um golpe publicitário prum novo filme de ficção-científica. É da natureza do jogo que tal filme provavelmente estaria pronto, e o maravilhoso disco-voador seria na verdade uma duplicata exata do adereço usado no filme. Na verdade, fomos submetidos a uma longa série de fraudes desse tipo nos últimos vinte anos, embora um pouco menos dramáticas que este exemplo.

Nenhum governo responsável tentaria explicar essa situação bizarra ao público em geral. Nosso estabelecimento militar foi, portanto, forçado a seguir uma política mais simples, negando a realidade do fenômeno sem tentar o explicar. Se os discos-voadores são uma farsa cósmica, se segue naturalmente que muitas das crenças básicas do homem podem ser baseadas em farsas semelhantes. Nenhum governo está disposto a expor essas crenças ou se envolver nas terríveis controvérsias que resultariam de tal exposição.

 

Mas se quisermos ser devidamente cautelosos e objetivos, nos encontramos ante um dilema de dupla face. Num lado, todos os fatos reais da situação, as manifestações e efeitos físicos do fenômeno, parecem apontar a uma explicação negativa, parafísica. Os ufos não parecem existir como objetos tangíveis e manufaturados. Não estão em conformidade com as leis naturais aceitas de nosso ambiente. Parecem ser apenas transmogrificações que se adaptam a nossas habilidades de compreensão. Os milhares de contatos com as entidades indicam que são mentirosos, trapaceiros e vigaristas. As manifestações ufológicas parecem ser, em geral, apenas pequenas variações do antigo fenômeno demonológico. A oficialidade pode achar que se os ignorarmos o tempo suficiente desaparecerão, tomando lugar com os mitos medievais sobre vampiro.

 Dos discos de Joanco

Série Zorro, 1 a 14

 


Relaxismo

 

Pra quem acha que teve um mau dia

 

Coleção Adeene neles!

Cássia Kiss - Carla Zambelli

Cássia Putsch é mãe ou avó de Carla Bronson? (dura de lascar)

 

Onde anda Allison Mack

 

Onde anda Fernanda Montenegro

 

Onde anda Messi

 

Onde anda Super Nanny

 

Onde anda Wally Walrus

 

Orochinho - Víctor Vieira - Víctor Santos


 Simone - Almir Sater - Caetano Veloso

 

Roberto Carlos - Sally Carr


Parece mas não é

Não é musa siliconada


 Onça preta - gato Mancha Negra

 

Coleção cartão-postal de Joanco

 





 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2023

Dos discos de Joanco

 

 

Kripta

Dos discos de Joanco

Gibis

Action comics

Batman comics

DC especial

Detective comics 0-476 faltam 404-418

Golden age comics

Nyoka

Os primeiros Tex

Outros

Seleções

Shazam

Superboy

Superman

Tarzan

Wonder Woman

 

Os que não se importam com seus contemporâneos são os que mais dizem se preocupar com as gerações futuras

 Após a pandemia o pandemônio

No discurso do presidente-eleito Lula na conferência climática, finalmente um presidente de verdade, após 4 anos passando vergonha mundial. Mas sabemos que a mudança climática é uma farsa dos globalistas. Mais uma vez a esquerda defendendo falso valor dos satanistas globalistas. Da mesma forma que vi canais iutúbicos de esquerda usando o vocábulo esdrúxulo homofobia, etc. Só porque certos valores verdadeiros são defendidos, mesmo que de forma tresloucada e até criminosa, por bolsonaristas, o fato não autoriza ridicularizar esses valores. Não se pode viver em função de contrariar o inimigo. É uma política burra.

O aquecimento global é uma mentira dos globalistas pra assediar os países com recurso natural, pois democracia, direito humano e ecologismo fundamentalistas são ferramentas dos colonialistas pra manter seu quintal estagnado no subdesenvolvimento.

Como é mentira a Amazônia como pulmão-do-mundo, o CFC como causador do furo na camada de ozônio, o petróleo de origem fóssil, etc.

https://www.youtube.com/watch?v=8WiWOPdfDNM

El dinero sucio de la agenda climática

O dinheiro sujo da agenda climática

Até hoje os canais sobre astronomia sempre dão um jeitinho de encaixar uma citação ao grande feito da Apolo 11: Aquele pontinho na tela é a Apolo 171 rumo Lua...

Argumentam que uma farsa envolvendo tanta gente é impossível. Não! Os atornautas são mações. Então não preciso explicar.

Que então por quê a URSS não denunciou? É o mesmo que argumentar que tudo o que se ouve e se lê na igreja é verdade, senão os cientistas já teriam denunciado tudo.

Se entende que Lula é político. Políticos e diplomatas não podem expressar excessiva sinceridade. Mas discursar açoitando os negacionistas que negam a mudança climática, uma mentirinha piedosa, é faca-de-dois-gumes.

Há muito li artigos sobre tubarão, em prol a evitar a extinção, em tom mui ecologista fundamentalista. Na fé de boa-ação esses textos passam a idéia de que o tubarão ser perigoso é um boato gerado pela ignorância.

No mesmo sofisma de um erro pra consertar outro, ou da mentira piedosa por uma boa causa, idem sobre as aranhas.

Não me estenderei explicando o quanto essa postura irresponsável é perigosa ao leitor. Felizmente não apareceu alguém tipo o padre voador, pra atravessar o Atlântico a nado, sem jaula, e assim entrar ao Livro dos recordes.

Após a pandemia o pandemônio. O pandemônio dos terroristas fascistas boçalnaristas me deixou em crise existencial. Fomos educados a crer que malucos e doidos varridos, picaretas, incompetentes, burros, etc, são exceção. Mas que sejam muitos, vá-lá. Mas perceber que os sóbrios que os criticam, que se apresentam como sensatos, também manifestam sintomas de estreiteza intelectual, abala nossa fortaleza.

Ver canais científicos desinformando, falando baboseira, que nossos críticos políticos não têm visão geopolítica global (Como se tudo o que passamos é puramente produto de fenômenos nacionais!), que pessoas supostamente cultas adiram a modismos estúpidos... Tem um vídeo onde o cara diz que provou que ideologia-de-gênero não existe! Pois não contei sobre o absurdo formulário do Metaforando? E sobre a tentativa, ainda mais estapafúrdia, de Dilma definir na Ônu uma elástica definição sobre família? É de lascar!

Ver tantas autoridades e intelectuais, como Lula e Xandão (quem também despontou como salvador de nosso estado-de-direito) usar linguagem inclusiva, é constrangedor. Sobrecarregando o discurso com eleitores e eleitoras, serão presos e presas... É constrangedor ouvir isso, ver essas sumidades se comportando como adolescente buscando aprovação da moda, faz questionar se essa gente afinal tem cabeça de camarão. Esse modismo estúpido e horroroso que leva a nada e sobrecarrega o discurso é mais uma arma dos globalistas na engenharia de destruir a linguagem, e faz parte da ideologia-de-gênero. Essa praga se alastrou como mosca, tal qual a tatuagem e o pircem, modismos perigosos e de extremo mau-gosto. Ambos perturbam a circulação dos chacras do corpo e introduzem toxinas que vão longe no organismo. A saúde é o bem mais precioso. Só quem tem titica na cabeça não hesita em sem necessidade introduzir ao corpo elementos perigosos. Quê mundo louco!

Antípodas são dois pontos na superfície duma esfera ligados por uma reta imaginária que passa no centro da esfera.

Num canal científico hispânico, e depois um em português, falando sobre o quê é antípoda. Não definem o termo, apenas aventando a idéia de que se cavar um buraco aqui se sairá no outro lado...! E faz a gracinha de que se alguém cair nesse buraco ficará quicando sem parar! Não são canais satíricos.

Na copa de Catar há os que grafam Qatar (Olha a destruição da linguagem aí!, gente). Neste ano em primeira vez transmissão aos jogos via internete. Um iutubeiro ganhou o direito, rompendo a exclusividade da Globo. Justamente a exclusividade globolixo que acabou com a qualidade da transmissão carnavalesca. É um marco histórico, uma derrota mundial do capitalismo selvagem. Mas novamente os valores globalistas em cena. Clipe e um humoristazinho com apologia homossexual, justamente o pior da tevê aberta.

Certa vez observei que os indivíduos que lêem só quadrinho solem ser imaturos. Da mesma forma os que se especializam em desporto (que têm a mania de chamar esporte, mas não é) solem ser intelectuais de segunda ou terceira. Sempre achei risível esses caras debatendo questões e estratégias com gravidade pra mim cômica, como se com importância e transcendência duma guerra. Mentalidades primitivas, meio animalescas, que só conhecem esse universo pobre e estéril do desporto, eternamente da psicose de constante competição, o que é anti-natural.

Como são toscos os comentaristas desportivos. Filósofos de opereta, levantando polêmicas tolas, discutindo o sexo dos anjos, fazendo tempestade-em-copo-dágua como verdadeiros idiotas-da-objetividade.

O comentarista Neto, agora parecendo incorporar o espírito de Zagalo em versão caipira, com aquele olhar raivoso e sentenças assertivas furiosamente expressas como num sermão evanjeca.

Polemizam os jogadores comendo carne com ouro num restaurante caro, se pode dançar ou zombar pra comemorar gol... E como alguns jogadores são falastrões, emulando as afetadas rixas entre lutadores se encontrando no ringue. Tudo muito primário, medíocre, pueril. Universo tão pobre que necessita polemizar pra criar interesse.

Imbapê ridicularizando adversários. Quem quer saber a opinião daquele negrinho ordinário? Aqui o insulto está em ordinário. Se achas que negrinho é pejorativo, o racista és tu.

Tão sumários que dizem bife de ouro em vez de com ouro. Uma dona falou em desrespeito os jogadores comerem aquilo abertamente, na cara do público.  Bem típico desta depravada civilização ocidental, onde se pode ser depravado, desde que a porta fechada, mas mesmo o mais normal ofende se é visto. Essa mentalidade é perversão. Ninguém se incomoda de que jogadores ganhem milhões a ponto de não saber como gastar, enquanto a literatura, matemática, etc, estão às moscas, e os professores ganham miséria. Ninguém se escandaliza de jogadores ganhar tanto. Mas se aparecem comendo carne com ouro tecem comentários moralistas de todo tipo. Então todo mundo pode sabe que os milhões estão ali no banco mas só se escandalizam ao se comprar algo com esses milhões? São os mesmos que não se escandalizam com os imensos espaços, segurança até com detetor-a-metal e tudo de mármore nos tribunais-de-justiça. Não têm a capacidade de raciocinar que o que se gasta ali é justamente o que falta à escola de teu filho ou neto. A quadra desportiva da escola onde voto está toda lascada. A mesa de pingue-ponge ali ao lado ainda mais lascada. E só se escandalizam com o que jogador come.

E sempre rediviva a polêmica de se comemorar gol dançando, rindo e gesticulando. Cada cultura e cada personalidade é própria. Tem quem seja risonho e brincalhão. Tem quem seja sóbrio. E tem quem seja vetusto e ranzinza. Nenhuma dessas formas de encarar a vida é a certa e melhor que a outra. Cada um tem motivo pra ser assim. E por mais que eu ache que ser risonho e brincalhão é que é bacana, não podemos estabelecer uma norma de como a pessoa tem de ser. Da mesma forma, cada time comemora seu gol e enfrenta o do adversário da maneira como sua mentalidade e meio cultural moldaram. Cabe aos outros respeitar essa diferença e aprender com ela, em vez de se comportar como besta selvagem ou como adolescente complexado que se enfurece até com a brincadeira mais pueril. É por isso que detesto o mundo do desporto: Além de ser de competitividade doentia, corrupto e de falsos valores, é ambientado por indivíduos imaturos, intolerantes, petulantes, agressivos, onde ainda está em vigor a mentalidade Futebol é desporto pra macho! Do jeito que a coisa vai, logo nem na arquibancada se poderá comemorar gol.

E então o canal Historiador bradou contra a caricatura onde aparecem frente-a-frente Imbapê e Messi. Que Imbapê foi deformado pra parecer macaco e que já se desculparam, etc.

Mas, como em toda caricatura, Imbapê teve exagerado o queixo proeminente. Então só por ser negro, Imbapê está acima de crítica, sátira, etc? Caricaturar Messi tudo-bem, mas a Imbapê não pode? Isso é obscurantismo. Isso remete aos times que deviam ir ao psiquiatra porque não suportam ver o adversário dançar, rir e sorrir ao fazer gol, e lembra quando Jô Soares, em Planeta dos homens, satirizava o deputado indígena xavante Mário Juruna, quem disse que as imitações são falta de respeito.

https://www.youtube.com/watch?v=3Cl729FUw3Q

1962: A copa do mundo mais polêmica de todas

https://www.youtube.com/watch?v=lCZs29meef4

1934: A Itália foi campeã com ajuda da arbitragem e ameaças de morte

E o quê dizer de quem julga a intimidade alheia sem conhecer? Que Pelé rejeitou a filha? Dizem que foi a conhecer, e ela disse que não quer saber e que na casa ninguém quer saber de Pelé. Que nunca se posicionou contra a ditadura militar? Tenho que toda celebridade é suspeita, pois nunca emite opinião polêmica. Mas se o condenar por isso tenho de condenar meus pais, meus tios com quem morei dois anos quando criança, meus professores... Mas então quê imagem ter? Digo que não estamos julgando se tal celebridade irá ao Céu, Inferno ou Purgatório. É impossível e tolo julgar nesse teor. Temos de julgar o cidadão, o que fez e o que representa. Pelé transcende a simples questão de ser celebridade. Pode ser chamado rei porque é indiscutivelmente o melhor em sua arte. É o bruceli do futebol. Não é por sua fama. É pelo que representa a seu país, fator de coesão e orgulho. Não está acima de crítica. Não deve ser endeusado.

Mas eu não me espantaria de no futuro essa imagem ser difamada. Como fizeram a Monteiro Lobato. Racista por retratar a cozinheira do sítio como negra? Pois se pusesse tia Anastácia como dona do sítio, esses mesmos pseudocríticos diriam que deforma a realidade, edulcorando seus enredos apresentando uma negra como dona do sítio, o que aplaca a indignação dos leitores, e blablabá...

O que precisamos nos conscientizar é que tais polêmicas não são liberdade de pensamento e expressão e sim atividade terrorista. É terrorismo porque não é pensamento espontâneo, e sim conspiração globalista sutil e maliciosa visando destruir a reputação de grandes personalidades nacionais. Atacar o idioma com uso de vocábulos estrangeiros, linguagem inclusiva, vícios-de-linguagem de todo tipo, e também atacar os grandes nomes do país são formas de romper o sentimento de nacionalidade.

 

Coleção Adeene neles!

 
Cássia Kiss - Clodovil - Yoko Ono

 

Nicolau II Romanov - Demétrio Medvedev

 

Xandão - Lex Luthor

 

Onde anda Adriana Esteves

 

Onde anda David Carradine

 Onde anda Lula

 

Onde anda Tim Maia

 

Onde anda o garoto-mad

 

Portal do José - Discurso de Putim num fórum econômico em Vladivostoque

 

Florestan Fernandes júnior - Rodrigues Vianna

 

Zeca Pagodinho - Nashville Jam

 

Mercedes-Benz - OTAN

 

Pernambuco - Vifala - LGBT-PqP

 

Vifala é a bandeira dos povos indígenas americanos

Em Catar a bandeira de Pernambuco foi pisoteada confundida com a infame LGBT. Mas a seleção de Pernambuco estava na copa? Tão previsível tal confusão...

A terceira tem de ser proibida, por toda a aberração que representa. Tolerância sim, apologia não.

 

Coleção cartão-postal de Joanco

 



domingo, 30 de outubro de 2022

Viva o bicentenário

 
 Viva o bicentenário da independência

(Embora desde o golpe republicano não há independência)

Acabou o pesadelo

Começará a reconstrução

Tiramos o psicopata do poder

Posse que devia ser anulada, pois subiu ao poder após golpe brando; eleito com notícia falsa, perseguição e prisão do outro candidato, quem seria o vencedor; e cumplicidade dos outros poderes.

É notável a semelhança de comportamento no poder, e carta-branca, entre Boçalnaro, Rítler, Zelenski e Solano López. Mas não há mistério nisso.

 Sensation mystery 111, 09-10.1952 - arquivo xcf

O arquivo .xcf, do gimp, pra quem quiser traduzir a outro idioma

O primeiro conto, O espectro na chama, de estereótipo místico, é muito tolo. O segundo, Soldadinhos-de-chumbo, interessante e com final surpresa. O terceiro, A porta ao mal, bom. O último, A morte gritante, explorando com imaginação um princípio científico. A caricatura onipresente do cientista louco criminoso e malvado, surrado clichê. Mas existe cobra cujo veneno mata uma pessoa instantaneamente?

 



Clemente Palma - Narrativa completa [castellano].docx

 

Clemente Palma - Narrativa completa [português].pdf

Clemente Palma - Narrativa completa [português].docx

Clemente Palma - 3 cuentos verdes.cbr

Clemente Palma (Lima, 1872–1946) é freqüentemente recordado como ácido crítico literário e não menos satírico cronista aos costumes peruanos do começo do século 20, mas se conhece mui pouco sua ampla obra de ficção narrativa. Esta publicação recolhe toda sua obra narrativa, na qual se incluem numerosos contos e relatos resgatados de publicações periódicas de difícil acesso. Igualmente se oferecem relatos inéditos como Longino y Três contos verdes. Se publica também a versão ampliada de Contos malévolos, aparecida em Paris em 1913. Edição, prólogo e cronologia de Ricardo Sumalavia.

Clemente Palma (Lima, 1872–1946) es con frecuencia recordado como ácido crítico literario y no menos satírico cronista a las costumbres peruanas del principio del siglo 20, pero se conoce muy poco su amplia obra de ficción narrativa. Esta publicación recoge la totalidad de su obra narrativa, en la cual se incluyen numerosos cuentos y relatos rescatados de publicaciones periódicas de difícil acceso. Igualmente se ofrecen relatos inéditos como Longino y Tres cuentos verdes. Se publica también la versión ampliada de Cuentos malévolos, aparecida en París en 1913. Edición, prólogo y cronología de Ricardo Sumalavia.

 

Um erro diagramático no volume 1: Um trecho da página 17 repetido na 20

Os 2 volumes digitalizados em volume único. Tradução ao português de Che Guavira passo-a-passo revisando o original.

 
Em 3 cuentos verdes o autor escreveu imitando a ortografia da era colonial. Como é penoso ler nesse estado, depurei e redigi de forma a ficar digerível e inteligível ao leitor-alvo, pois não tem sentido deixar como está. Porém o texto original intato pus em forma de figura no formato gibi (.cbr), separado do livro, logo acima pra ser baixado.

Foi traduzido e revisado com muito carinho, com muitas notas-de-rodapé esclarecendo trechos dúbios ou curiosos, e apêndice do digitalizador-tradutor.

Foi gratificante trabalhar nesse projeto de traduzir autor tão importante e autor de textos tão interessantes.

Tardei em postar diante de fatos desagradáveis de gigantesca multinacional livreira e outros roubar meus escaneios e pôr a venda. Nunca me incomodei com os que repostam, mesmo com a indelicadeza de não citar a fonte, desde que gratuitos, pois essa é a natureza deste blogue. Sendo obra grandiosa fiz questão de registrar meu esforço na biblioteca nacional.

Ante o roubo de escaneio nada posso fazer além de conseguir a retirada mas sem esperança de receber indenização, pois não estão registrados. E só pra iniciar uma ação já seriam 1000 reais de entrada. É assim a coisa neste país-colônia dos banqueiros.

Imagines a idade-da-pedra pra registrar um trabalho. Providenciar os documentos na primeira vez, pagar a taxa, preencher formulário, imprimir tudo e numerar e rubricar a mão cada página. Só pra imprimir a tradução, 74 reais. Mais a taxa, o envio sedex.

Há meses espero o traslado. Nenhuma comunicação, ao menos de recebido.

Eis o estado-de-coisa. É como se pra publicar um livro tivesse de o fazer em tabletes de argila, no estilo sumério, encher um carro-de-boi e sair pra vender na beira da estrada. Cada viagem é um exemplar do livro.

Entendes como é impossível registrar cada gibi, cada livro, revisão, tradução, etc? Seria 1/ano. E olhe-lá! E se o faço sem cobrar, patrocínio, propaganda, doação... Inviável, impossível, surreal.

Mas não estamos na era internética? Até a era televisiva já passou longe. O registro não devia ser automático? Postou, ficou registrado num banco-de-dado comprovando postagem e autoria. Na era internética tudo tem de ser assim, dinâmico, superdinâmico. Mas infelizmente vivemos no hemisfério do capitalismo selvagem

Temos a tecnologia de nossos tataranetos com a moral e a burocracia de nossos tataravós

 Ofereci a várias editoras, com sugestão de fazer projeto de financiamento coletivo no Catarse, pra editar em papel, mas ninguém respondeu. O mundo editorial é muito estranho.


Tem canal comentando o perigo da usina desastrada de Fucuxima entrar em reação-em-cadeia. Isso é catastrofismo. Vejamos o que diz um livro direcionado a não-leigos no assunto:

[…] Na explosão nuclear a energia liberada depende duma competição entre a velocidade de propagação da reação de fissão em cadeia na massa físsil supercrítica (que é tanto maior quanto mais rápidos forem os nêutrons do sistema) e a velocidade da expansão hidrodinâmica da massa físsil em direção à subcriticalidade. Em meios supercríticos com nêutrons moderados a velocidade de multiplicação dos nêutrons é relativamente muito lenta, se dando a destruição da configuração supercrítica antes duma liberação excessiva de energia, sendo essa uma das razões pelas quais reatores nucleares, em acidente de criticalidade, não podem explodir como bomba atômica. Geralmente a energia liberada pode ser contida pelo vaso do reator ou, em casos extremos, pela estrutura externa da central (inexistente de forma adequada no reator de Chernobil).

Introdução, página 23

A física dos explosivos nucleares, livraria da física editora, São Paulo, 2ª edição, 2009

Dalton Ellery G Barrosso, bacharel em física (UFEJ), mestre em engenharia nuclear (IME), doutor em ciências dos materiais (IME), pesquisador titular do centro tecnológico do exército (CTEx)

 […] En la explosión nuclear la energía liberada depende de una competición entre la velocidad de propagación de la reacción de fisión en cadena en la masa físil supercrítica (que es tanto mayor cuanto más rápidos son los neutrones del sistema) y la velocidad de la expansión hidrodinámica de la masa físil en dirección a la subcriticalidad. En medios supercríticos con neutrones moderados la velocidad de multiplicación de los neutrones es relativamente muy lenta, se dando la destrucción de la configuración supercrítica antes de una liberación excesiva de energía, siendo esa una de las razones por las cuales reactores nucleares, en accidente de criticalidad, no pueden explotar como bomba atómica. Generalmente la energía liberada puede ser contenida por el vaso del reactor o, en casos extremos, por la estructura externa de la central (inexistente de forma adecuada nel reactor de Chernobil).

[Introducción, página 23]

A física dos explosivos nucleares (La física de los explosivos nucleares), livraria da física editora, São Paulo, 2ª edición, 2009

Dalton Ellery G Barrosso, bacharel en física (UFRJ), maestro en ingeniería nuclear (IME), doctor en ciencias de los materiales (IME), pesquisidor titular del centro tecnológico del ejército (CTEx)

https://canaltech.com.br/saude/nao-somos-programados-para-nos-exercitarmos-segundo-paleoantropologo-de-harvard-227244/

Não somos programados pra nos exercitar

Um artigo pra enterrar de vez a mentira da relação entre exercício físico e saúde

 A lâmpada-de-sal libera íon negativo: Falso

No vídeo mostra uma lâmpada num laboratório. Ali se verificou que não libera íon negativo.

https://www.youtube.com/watch?v=4x3Rk2xC84Y&t=623s

Funcionan las lámparas de sal?

 https://www.youtube.com/watch?v=1yuwqOGuObk

quando Seal e Delta force, as melhores tropas de Eua, não agüentaram o treinamento básico do CIGS, do Brasil

 https://www.youtube.com/watch?v=mcd85LHT8PQ

Científico alemán dice que el coronavirus se desarrolló con un 99,9% de certeza en el laboratorio

Cientista alemão diz que o vírus corona se desenvolveu com um 99,9% de certeza no laboratório

Analisando os 5 problemas desta redação

1 - Cientista diz em vez de cientista disse.  Água molha, pássaro voa, aranha pica é diferente de a água molhou, o pássaro voou, a aranha picou. Não há de ser que o cientista está sempre dizendo e que uma de suas naturezas é dizer. E se refere a um cientista, não genericamente aos cientistas. Portanto Um cientista disse.

2 - Esse é um vício do castelhano. Ao citar porcentagem um tanto por cento em vez de tanto por cento. O navio tem um peso de, uma capacidade de, uma velocidade de, sempre esse artigo indefinido supérfluo.

3 - Não se diz a moeda tem 50% de possibilidade de cair coroa, e sim a moeda tem 50% de probabilidade de cair coroa. Nem É muito possível que isso aconteça, e sim É muito provável que isso aconteça. Evento certo ou impossível é condição absoluta. Não tem gradação. É ou não é. Fora isso há a probabilidade. Esse com gradiente. 99,9% de probabilidade é o que se aproxima muito da certeza.

4 - Não se refere a um laboratório específico. É genérico. Portanto em laboratório.

5 - Duplo sentido na parte o vírus corona se desenvolveu com 99,9% de probabilidade em laboratório. Uma interpretação é de que foi desenvolvido em laboratório, e com 99,9% de probabilidade (dalguma coisa). Noutros assuntos, com redação assim se pode provocar mal-entendido.

A frase corrigida:

Un científico alemán dijo que hay 99,9% de probabilidad de que el coronavirus fue desarrollado en laboratorio

Um cientista alemão disse que há 99,9% de probabilidade de que o vírus corona foi desenvolvido em laboratório

 Outro vício hispânico e às vezes lusófono é terminar um listado com así como (assim como) em vez de com y (e)

Júpiter continua estudado pelo telescópios espaciais Hubble e Webb, assim como por muitos observatório terráqueos

Júpiter continua estudado pelo telescópios espaciais Hubble e Webb, e por muitos observatório terráqueos

Assim como é em caso de exemplo comparativo. E o assim é supérfluo.

 https://www.youtube.com/watch?v=90CWlJ21xdo

Os cientistas não estudam apenas os planetas mas também seu clima

Os cientistas não estudam apenas os planetas mas também o clima deles

Na primeira frase a terceira pessoa é os cientistas. Seu se refere à terceira pessoa. Portanto está dizendo que os cientistas estudam o próprio clima

 Coleção Adeene neles!

 Agnetha Fältskog - Sandahl Bergman

 

André de Pierre - Fernando de Retes

 Valdemir Zelenski - Sérgio Moro

(Os nazistas se parecem)

 Ovos estrelados - Óvnis estrellados

 

Missão Juno em Europa - enterrada basquética

 

Folie bergère - Sanna Marin

Crêmilin - Moulin Rouge

Russa Vira-Bicho

Onde anda Kareem Abdul-Jabbar

 Onde anda senhor Spock

 

Onde anda Lima Duarte

 

Onde anda Paulo Coelho

Onde anda o cantor Falcão


Coleção cartão-postal de Joanco