- Che Guavira - sítio literário

quinta-feira, 11 de junho de 2015


Crônicas bogotanas 2015 2
Da autobiografia não autorizada de Che Guavira
Correi aos correios sem correias, socorrei-os ● Dos males o menor Chilenos × peruanos, que tristeza A seguir: As crônicas limenhas
Reclamamos muito de nosso correio, que poderia ser muito melhor, sem dúvida. Mas, vejamos Pra meu correspondente Carlos, de Medelim, é muito mais complicado enviar a mim um pacote, do que vice-versa. Porque lá, por causa de todos os problemas de narcotráfico, se exige documento, descrição, verificação, etc. Fica muito mais burocrático enviar um pacote.
Mais do que aqui em região fronteiriça. Um amigo que se mudou a Ponta Porã desistiu de vender no Mercado livre por causa disso.
Como sou viajante inexperiente quis aproveitar a conexão Santiago pra entregar um pacote a um correspondente chileno. De prevenção levei endereçado, pra caso precisar pôr no correio. Fiquei em área restrita de conexão e não tem agência postal ali.
Em Bogotá levei ao correio mas o preço era exorbitante. Na moita a atendente me indicou uma aerolinha ali na esquina, que seria bem mais barato. Fui. A perguntação foi grande, tive de abrir o pacote pra mostrar o conteúdo. Como tinha o remédio prà gata diabética de dona Adriana, disseram que tinha de ter autorização do Chile pra entrar medicamento, mesmo não sendo de tarja. Excluí a caixinha de comprimido. Então disseram que necessitava de meu documento de identidade e do documento de identidade do destinatário!
Mas como eu teria isso? Quem informa seus dados documentais a todos os contatos? Obter telefone ou imeio já é difícil, imagines número de documento. Isso lá é coisa que se peça a alguém?
Então o pacote foi a Bogotá e voltou.
Na primeira viajem a dona do hotel falou sobre a Venezuela. Que antes era tudo reclamação contra os ianques, o imperialismo e tirania ianque, mas que agora os chineses estão em toda parte, tomando conta de tudo, trazendo gente pra trabalhar no país
Eu disse que se não fossem os chineses os ianques teriam atacado não só o Iraque e o Afeganistão mas também o Irã e a Síria, depois a Venezuela. E o mundo todo cairia em suas mãos, em escombro. Portanto, dos males o menor. Eu disse que a existência da FARC tem muito dedo ianque ali, pois usam todos os meios pra desestabilizar, enfraquecer os países.
A Colômbia já perdeu o Panamá porque se negou a deixar os ianques construírem o canal. Então eles instigaram a independência. Agora está de aliado. Se perder outro pedaço não reclame depois.
E conversamos assim, trocando pontos de vista sem ardor, cum hóspede venezuelano junto.
Na segunda viajem falamos sobre o assunto novamente. Citei o caso de meus correspondentes chilenos e colombiano. Ambos países se alinharam com o grande satã, que tentou implantar a SOPA, etc. O resultado é que esses países fizeram leis exageradas de direito autoral. Assim blogueiros chilenos tiveram problemas judiciais ao postar escaneio de gibis e filmes antigos, porque fizeram uma lei nesse sentido. O colombiano pediu a mim pra baixar algumas coisas no Emule, porque lá criaram uma lei que prevê prisão pra quem usar o Emule.
No caso dos chilenos foi uma briga entre escaneadores chilenos e peruanos.
Os dois países não se bicam desde a guerra do Pacífico, onde a Bolívia perdeu o litoral. Mas a querela não era nacionalista.
Eram dois blogues amigos. Na verdade três blogues chilenos e um peruano. O blogue peruano tinha, chamarei de senhor X, um colaborador que virou o braço-direito do dono. Um colombiano freqüentador de ambos acusou senhor X  de se apropriar de escaneios e resenhas alheias. Senhor X respondeu duro, xingando os outros. O dono fazia ouvidos moucos. Então houve a ruptura, com ofensas mútuas. A coisa perigou de engrossar e parar na delegacia. Consta que esses peruanos denunciaram os blogues chilenos, gerando a questão judicial sobre a qual falei acima, que terminou bem mas foi traumática, é lógico.
O primeiro blogue de gibi que freqüentei, antecessor dos citados, tinha marca dágua na capa, senha, etc. Eu achava um absurdo. É muita vaidade, pensei. Mas era porque não sabia da história. Minha correspondente chilena contou tudo. Seria porque senhor X estaria imprimindo e vendendo escaneios deles no Mercado livre.
Uma tristeza. Blogues até então amigos e parceiros brigaram assim, só por causa de senhor X.
A seguir: As crônicas limenhas.

Nenhum comentário:

@templatesyard