sábado, 19 de junho de 2010


Medalha de ouro, prata, bronze? Não!
Medalha de lata enferrujada
prà imprensa brasileira, que todo ano de copa se esquece totalmente dos festejos de são joão, a festa junina, nossa segunda grande festa. É só copa, copa e mais copa, aquela jabaculê, ops!, jabulani, bola quadrada. Se vivemos num mundo tão democrático quando nos querem convencer, por que não vão testando a tal bola ao longo dos anos anteriores em eventos menores? Esse mundo desportivo é autoritário, formalista e puritano demais pra meu gosto. A primeira copa do mundo de futebol de inverno: África do Frízer. Os caras da Fifa fugiam da aula de geografia. Não sabem que no hemisfério sul as estações climáticas são invertidas? Não previram a baixa umidade do ar? Se fizerem a copa 2014 em Brasília na mesma época o índice de umidade do ar poderá estar muito pior. Não importa? Terá patinação no gelo, trenó, esqui nas preliminares? Só falta fazer jogos de inverno a 40ºC.
A camisa da Holanda: Aquilo é laranja? Tá parecendo aqueles que chamam lilás ou carmim de cor-de-rosa.
A tevê não põe mais letra de hino? Os eventos desportivos já são culturalmente indigentes, já quase anti-culturais. Que pobreza de espírito! Já não basta ser tudo tão censurado?
E por que insistem em chamar argeliano de argelino? Argelino é natural de Argel, tunisino de Túnis, nigerino do Níger. Chamar argeliano de argelino é o mesmo que chamar brasileiro de brasiliense. E campeonato carioca? Se é estadual não deveria ser fluminense? Carnaval carioca, sim, porque é um evento municipal.
Por que não extinguem o segundo tempo? Fica só 45 minutos o jogo todo. Bem melhor. Afinal, ninguém agüenta jogar o segundo tempo mesmo (Só Marta & companhia).
Estão dizendo que não mais farão copa no terceiro mundo porque está caro demais? Não seria melhor ir fazendo nos países tradicionais e fazer numa África do Sul ou Brasil só depois que estiver tudo pronto já de antemão?
Poderiam desenvolver um gramado rotativo ou tapete de colocação rápida e fazer os jogos um atrás do outro, como num desfile carnavalesco e num estádio só. Pegar um país bem ruim de futebol (China, Israel, Eua ou Canadá, por exemplo) e fazer dele sede permanente, sendo que esse país nunca participará, pois sempre o país-sede é ajudado pelo juiz. Simplificar. Mas tem de haver o compromisso de não se ignorar as festas folclóricas de cada país. É preciso que as entidades internacionais se preocupem com isso. Senão teremos de fazer campanha pra acabar com esses eventos alienantes, estereotipados, propagadores de falsos valores e lesivos à cultura popular.

Idéia pra charge
Um repórter e pergunta a um torcedor brasileiro empolgado:
-- Muito esperançoso?
-- Claro! É Brasil na cabeça! Brasil! Brasil! Brasil!
Passam duas torcedoras argentina gritando e agitando bandeira:
-- Argentina! Argentina! Argentina!
O torcedor tira da mochila uma camisa argentina e uma peruca de cabelo comprido, se caracteriza de argentino e sai atrás delas, gritando:
-- Ar-rentina! Ar-rentina! Ar-rentina!