sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Edgar Poe, el genio de América


Eis a célebre biografia sobre Edgar Allan Poe, de Ramón Gomez de la Serna. Esta foi minha tradução mais trabalhosa, pois em linguagem repleta de prosa poética, flexões, trocadilhos, neologismos, metáforas… No final um apêndice detalhando isso.
Alguns extratos do estilo redacional do livro, pra discutir como curiosidade:
¿No es el inglés quien está detrás del norteamericano? ¿El hijo del actor mediocre en lucha eterna con la madre que fue la gran actriz?
Primeiro a redação original impressa. A redação tem os seguintes problemas: 1 Em castelhano as pontuações exclamação e interrogação são do tipo abrir-e-fechar, igual parênteses, por exemplo. Os de abertura são os respectivos sinais de ponta-cabeça. É a única língua importante que usa esse excesso de precisão, um preciosismo supérfluo. Mas se esse abre-e-fecha marca com precisão o trecho interrogativo ou exclamativo, não faz sentido abrir e fechar a cada ponto, como no exemplo acima. Essa forma viciosa é uma burrice. Além do quê carrega demais o texto, é anti-estética e atrapalha o maiúsculo automático do processador-de-texto. 2 O no caso impreciso e vicioso vocábulo norte-americano em vez de ianque ou estadunidense. 3 O vicioso vocábulo detrás, que é atrás. 4 A expressão luta eterna com em vez de luta eterna contra. Lutar com é lutar junto, como aliado, não contra. No caso é lutar contra. 4 Um erro referencial na segunda sentença. O sujeito é Poe, filho de quem? Do autor medíocre eternamente lutando contra… Contra quem? Contra a mãe de Poe. A mãe de Poe foi grande atriz. Mas no texto diz que o ator medíocre está lutando contra a mãe. O redator quis dizer a mãe de Poe, não a mãe desse ator medíocre. Então tem de dizer contra a esposa, não contra a mãe. 5 Não que foi a grande atriz, e sim que foi grande atriz, pois não foi apontada como a maior de todas e seu atributo não está usado como identificação.
Então o trecho revisado e traduzido ficou:
¿No es el inglés quien está atrás del yanqui. El hijo del actor mediocre en lucha eterna contra la esposa que fue gran actriz?
Não é o inglês quem está atrás do ianque? O filho do ator medíocre em luta eterna contra a esposa que foi grande atriz?
Outros trechos:
Pasea una corona por la ciudad, una corona que pesa y que está hecha con los viejos chales de la mujer imposible de olvidar y con flores de sus sombreros muertos.
Paseaba en la ciudad una corona pesada hecha con los viejos chales de la mujer imposible de olvidar y con las flores de los muertos sombreros de ella.
Fazia passear na cidade uma coroa pesada feita com os velhos xales da mulher impossível de olvidar e com as flores de mortos chapéus dela.
Um vício de linguagem comum ao português e castelhano é do tipo seu próprio, si próprio, meu próprioSeu já é próprio. Assim a frase Abandonou seu próprio filho é tautológica. Abandonou seu filho ou Abandonou o próprio filho.
Em castelhano Galicia é em português Galiza, a terra dos galegos, região espanhola de língua mais aparentada ao português. Em português Galícia é uma região histórica da Europa central. Outra palavra vítima de má tradução é amapola. Papoula, dormideira (Papaver somniferum) Do látex, extraído do fruto da papoula antes da maturação, se extraem substâncias como codeína, papaverina, morfina, ópio e heroína. https://www.significadosbr.com.br/papoula Em castelhano é amapola. Mas na internete, por má tradução, se confunde a amapola (Pereskia amapola), planta ornamental brasileira, com a papoula. Por exemplo, no dicionário https://www.dicio.com.br/amapola/ há um trecho de texto exemplificando o uso da palavra, mal traduzido, portanto errado, onde devia grafar papoula: Uma camponesa instalada na praça principal de Anorí, a 470km de Bogotá, disse, sob anonimato, a uma rádio de Medelim que os guerrilheiros forçaram todos a abandonar sua casa e sítio em lugarejo remoto onde há cultivo de coca, matéria-prima da cocaína, e amapola, base da heroína. Folha de São Paulo, 30.01.2011
Sobre a baboseira de não poder dizer preto e sim afro (Há negros melanésios (Os de Madagascar não são africanos mas melanésios), xavantes, indianos, etc.), certa vez um amigo negro disse Preto é cor. Negro é raça. Uma frase bem capenga, carente de lógica, pois ambas são cores. Negro é mais escuro que preto, assim como alvo é mais claro que branco.
Num relato assombrado o narrador disse que entrou ao bosque procurando pelo seu amigo. Mais a diante disse que na procura pelo bosque…
Já deu pro leitor culto notar a imprecisão, esculhambação mesmo, do uso da preposição composta pelo (por + o), forma viciosa sobre a qual já falei umas vezes, inclusive com o exemplo da frase sobre o lixo espalhado pela cidade, quando antes que o lixo foi espalhado pelo furacão. É assim que um idioma progressivamente se degenera.
É muito feio e errado o português popular, português de jornalista. Mas no castelhano a situação é muito pior. O castelhano popular é muito desvairado. Já falei sobre os erros de tempo verbal, que se generalizaram. Um vício generalizado é tratar como transitivo verbo intransitivo. Esquisitices como Me lo comí todo (Me o comi tudo à Comi tudo) Me temo que sea verdad (Me temo que seja verdade à Temo que seja verdade)
O panetão da Copenhague custa R$86. E o quê tem de especial? Uma camada de chocolate em cima. A massa é seca. É uma roubada!
A dinastia real inglesa. Por quê é real? Em todos estes séculos alguém derruba a realeza e se proclama uma. Inclusive o plebeu Cromwell. Se a dinastia não remonta de modo estável e ininterrupta desde a era dos deuses, então tudo não passa dum muito besta faz-de-conta pra inglês ver. 
Em encadernação usavam jornais e revistas velhos

Konstantín Zalesski - Historiador e jornalista russo

Miguel Navarrete - Miguel Navarro, professor da academia nacional de estudos políticos e estratégicos

Roberto Godoy - especialista brasileiro em armamento

 
Policial iraquiano - Wally Walrus






Se meu fusca falasse







Barbeiros da cidade

 Pra quê reforma ortográfica?

Hepta não é 7? 5 não é penta?

Quando Ramão usou meu computador pra fazer seu loguim no Change.org, quando voltei, ao fazer comentário apareceu meu nome e sua foto. Eu-hem!

Pão francês x pan francés

Monteiro Lobato reencarnou na Síria!


O Brasil foi ao espaço

Coleção cartão-postal de Joanco



Um comentário: