segunda-feira, 31 de janeiro de 2011


Aqui, no ano 3000, o lema mais comum é Brasil, o país do futuro
A imprensa ocidental desceu a lenha na censura iraniana
Mas isto também não é censura?:
Isso acontece porque macaco não olha o próprio rabo.
Censura é o moralismo dos outros.
Ao terminar reportagem sobre o tumulto egípcio um comentarista jornalístico disse que não tem como segurar o desejo de democracia do povo se unindo através das redes sociais na internete. Que breve não sobrará ditadura no mundo, nem na China.
Depois do comentário ingênuo desse profeta não posso deixar de lembrar de quando os tanques esmagaram os ingênuos manifestantes da praça da Paz Celestial, em Pequim, 1989, quando esses mesmos profetas da imprensa previam uma guerra civil na China, decorrente do fato.
Então percebi que não eram analistas mas meros palpiteiros, nada melhores que os horoscopistas de jornal.
Também me fez lembrar do jogo Brasil x Noruega, quando os comentaristas futeboleiros das tevês daqui fizeram um escarcéu, analisaram em todos os ângulos e até Pelé deu palpite. Era unanimidade que o juiz errara e que o pênalti contra o Brasil foi injusto. Então apareceu uma cena da tevê sueca, cuja câmera se posicionara onde nenhuma outra emissora o fizera. Mostrava, nitidamente, o brasileiro puxando a camisa do atacante norueguês dentro da área.
Desde então sumiram aquelas imagens tira-teima computadorizadas, onde um computador gráfico aproximava, dava a velocidade da bola, girava, riscava linha de tiro, o diabo-a-quatro. Até o computador ficou desmoralizado.

Numa reunião, na FIFA, um grupo se reuniu pra discutir como vencer o Brasil. Maradona foi logo explicando sua técnica:
— Nós, os sonsos, pusemos sonífero numa garrafa de água mineral e oferecemos. Os tontos aceitaram e ficaram zonzos. Porque não é todo jogo que podemos contar com la mano de Dios. Nem todo dia é santa Maria! Agora que prescreveu o crime podemos contar e rir. Hahahahahaha.
Então Valdívia contou:
— Jogo Brasil x Argentina não vale. Porque não é jogo, é luta. Nós, chilenos, gostamos muito de teatro. Então demos um jeito duma torcedora soltar um rojão em direção ao goleiro, que encenou ter sido atingido. Se não fossem as malditas câmeras de tevê teria dado certo.
Zidane disse:
— Conversando a gente se entende.
O jogador de Costa do Marfim:
— O negócio é descer o pau e quebrar perna.
Então falou um filho de tio Sam:
— Pra vencer o Brasil nossa tática foi a mesma do Bush. Na véspera da decisão demos um ultimato: Se não entregassem os dois Ronaldo, Cacá e Robinho bombardearíamos o Maracanã. Então começamos a partida mesmo sem o juiz autorizar. Como não somos muito bons chamamos os ingleses e mais um bando de outros puxa-saco. De modo que pusemos em campo mais de trinta. Acusamos os brasileiros de usar dópim mas nada foi encontrado. Mas não adiantou. Mesmo assim levamos uma goleada.

O funcionário do tribunal de conta de Maiame ficou curioso com uma verba secreta do Pentágono e foi investigar. Mas já de cara um pentagoriano logo explicou:
— Tem nada de secreta. Comprar juiz não é barato. É que o Pentágono montou um time de basquete e a obsessão do general, que é treinador do time, é ganhar um campeonato sem levar cesta.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011


Notícia
dedicado à ficção científica, O selo Pulsar,
da Devir, alcança a marca de 10 títulos
 Com a publicação do romance Ângela entre dois Mundos, de Jorge Luiz Calife, em dezembro de 2010, o selo Pulsar da Devir chega à marca de dez livros publicados. É um reforço substancial à publicação de ficção científica no Brasil, com títulos particularmente significativos, como os multipremiados romances de Orson Scott Card, O Jogo do Exterminador e Orador dos Mortos; o quarto livro de contos de André Carneiro, Confissões do Inexplicável, a mais volumosa coletânea de FC brasileira já editada; Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica, a primeira antologia retrospectiva da história do gênero no Brasil, e um sucesso de vendas; Tempo Fechado, do escritor cyberpunk Bruce Sterling, romance que antecipou as mudanças climáticas globais; Trilogia Padrões de Contato, de Jorge Luiz Calife, reunindo pela primeira vez três romances clássicos da FC brasileira em um único volume; Anjos, Mutantes e Dragões, o primeiro livro de contos do destacado autor brasileiro de FC e fantasia, Ivanir Calado; e o quarto romance de Calife, Angela entre dois Mundos.

Os Dez Títulos da Pulsar:
 1. O Jogo do Exterminador (Ender’s Game), Orson Scott Card
2. Confissões do Inexplicável, André Carneiro
3. Orador dos Mortos (Speaker for the Dead), Orson Scott Card
4. Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica, Roberto de Sousa Causo, ed.
5. Tempo Fechado (Heavy Weather), Bruce Sterling
6. Trilogia Padrões de Contato, Jorge Luiz Calife
7. Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica: Fronteiras, Roberto de Sousa Causo, ed.
8. Xenocídio (Xenocide), Orson Scott Card
9. Anjos, Mutantes e Dragões, Ivanir Calado
10. Angela entre dois Mundos, Jorge Luiz Calife

Os títulos da Pulsar contam com traduções de especialistas em ficção científica como Carlos Angelo e Sylvio Monteiro Deutsch, e artes de capa de artistas talentosos como Vagner Vargas e Felipe Campos. Para o futuro imediato, a Pulsar promete manter o alto nível e a ousadia editorial que a tem caracterizado até aqui.
  
Alguns dos Próximos Lançamentos do selo Pulsar:
 O Último Teorema (The Last Theorem), de Arthur C. Clarke & Frederik Pohl. Um complexo romance de primeiro contato com inteligências alienígenas e de política internacional, é o último livro escrito por Clarke, o grande mestre da ficção científica, morto em 2008.

Os Filhos da Mente (Children of the Mind), de Orson Scott Card. Romance que fecha o primeiro ciclo de aventuras de Ender Wiggin, iniciado com o multipremiado (Prêmios Hugo e Nebula) O Jogo do Exterminador (Ender’s Game), um best-seller com mais de dois milhões de exemplares vendidos no mundo.
The Windup Girl (ainda sem título em português), de Paolo Bacigalupi. O romance ganhador dos Prêmios Hugo, Nebula e Locus de 2009, é um dos mais premiados livros de estréia de um autor de ficção científica, comparável apenas a Neuromancer (1984), de William Gibson.

A Cidade e as Estrelas (The City and the Stars), de Arthur C. Clarke, marcará o retorno às livrarias brasileiras deste que é o principal romance da melhor fase do mestre inglês da ficção científica, um dos grandes nomes do gênero no século 20 e autor de 2001: Uma Odisséia no Espaço.

Assembléia Estelar: Histórias de Ficção Científica Política, organizada pelo jornalista e cientista político Marcello Simão Branco, é a primeira antologia internacional com esse tema montada no Brasil. Com histórias de André Carneiro, Ataíde Tartari, Bruce Sterling (EUA), Carlos Orsi, Daniel Fresnot, Fernando Bonassi, Flávio Medeiros, Henrique Flory, Luís Filipe Silva (Portugal), Miguel Carqueija, Orson Scott Card (EUA), Roberto de Sousa Causo, Roberval Barcellos e Ursula K. Le Guin (EUA).

As Melhores Novelas Brasileiras de Ficção Científica, antologia organizada por Roberto de Sousa Causo, com novelas e noveletas clássicas da ficção científica nacional: “Zanzalá” (1928), de Afonso Schmidt; “A Escuridão” (1963), de André Carneiro; “O 31.º Peregrino” (1993), de Rubens Teixeira Scavone; e “A nós o Vosso Reino” (1998), de Finisia Fideli.

Trilhas do Tempo, de Jorge Luiz Calife. O segundo livro de contos de Calife, autor da Trilogia Padrões de Contato, o grande clássico da ficção científica hard brasileira.

Conheça os autores que, nos dez títulos do selo Pulsar, alargam os limites de como enxergamos a ficção científica nacional e internacional:

Afonso Schmidt                                               Jorge Luiz Calife
André Carneiro                                             Jerônymo Monteiro
Berilo Neves                                                   Leonardo Nahoum
Braulio Tavares                                                           Levy Menezes
Bruce Sterling                                                           Lima Barreto
Cid Fernandez                                                 Lygia Fagundes Telles
Domingos Carvalho da Silva                             Machado de Assis
Finisia Fideli                                                     Marien Calixte
Gastão Cruls                                                    Orson Scott Card
Ivan Carlos Regina                                          Ricardo Teixeira
Ivanir Calado                                                 Rubens Teixeira Scavone
Roberto de Sousa Causo                                 

Devir Livraria: “Líder em ficção científica”
Rua Teodureto Souto, 624 - Cambuci - São Paulo-SP, CEP 01539-000
Fone: (0__11) 2127-8787 - horário comercial
Mais informações: marialuzia.devir@gmail.com
Visite o nosso site: http://www.devir.com.br/

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011


Dois amigos se encontraram.
— E aí?, Zé. Deu certo a promessa, ao santo, pra jantar com aquela gata?
— Que nada! Foi uma droga. A guria não apareceu e o restaurante cheio de mosca. Pedi a santo Antônio pra jantar com as moças. O santo tá meio surdo e entendeu as moscas.
— E agora?
— Agora eu ia pedir um patrimônio mas desisti. Vai que ele entende matrimônio.

Qual a semelhança entre um casamento e um funeral?
É que quando pensamos que um dia chegará nossa vez dá um arrepio!

O escritor se inscreveu num concurso pra roteiro de filme de ficção científica e foi perguntar se um dos roteiros foi classificado.
— O número de inscrição, por favor.
— 1776615. São dois filmes de ficção científica. Um sobre Estados-Unidos anexando a Terra, que se torna um país único. O outro é sobre uma doença que extinguiu todos os animais do sexo feminino.
— Á, sim! Esses dois roteiros foram guardados pro ano que vem, quando realizaremos um concurso de roteiro pra filme de terror.

Os mineiros estão em todas. Silenciosos, nem aparecem na história. Foram mineiros que colonizaram o estado ianque de Uai!, Homem, pra rivalizar com os portugueses, que colonizaram Ô!, raio! Não contentes com isso colonizaram Uai!, ôa!
Os mineiros estão, mesmo, em todas. Vez e outra se ouve que estão em greve ou que foram soterrados no Chile, na China.
Um mineiro contando a um paulista que gostou muito daquele filme Os caça-fantasma.
— Á!, sim. Ghost buster.
— Gostcho!


Reflexinhos e reflexões
A revelação dos arquivos secretos da superprepotência. O linguajar, postura, cultura dos agentes. Que baixaria! Nada a ver com a imagem glamurosa dos filmes e novelas. Mais parece uma seção no cabeleireiro ou o estereótipo das lavadeiras. Muito mais pra Candinha, Gossip girl ou dramalhão mexicano que pra James Bond.
La revelación de los archivos secretos de la superprepotencia. El lenguaje, postura, cultura de los agentes. ¡Que vulgaridad! Nada a ver con la imagen glamurosa de las películas y novelas. Más parece una sección en el peluquero o el estereotipo de las lavanderas. Más para la vecina habladora, Gossip girl o telebobela mexicana que para James Bond.
O alpinista que se acidentou e não pôde ser resgatado porque o resgate seria arriscado demais nos leva a refletir sobre a necessidade do comportamento responsável. Na cabeça dos imbecis que buscam o risco sem necessidade se passa o mesmo que na duma criança: A de que pode fazer qualquer travessura, pois se encrencando papai e mamãe socorrerão prontamente. Um resgate pode ser questão humanitária mas é oneroso e desvia ou atrasa o atendimento a outros acidentados. Portanto quem assume atividade de risco por mero estúpido prazer está prejudicando a sociedade. É a mesma mentalidade da década de 1960 e 1970, onde o comportamento depravado levou à disseminação da aides, pois esses irresponsáveis achavam que qualquer doença a ciência curaria facilmente. Esse mesmo sofisma perdurou em relação ao narcotráfico: A idéia romântica e ingênua de que cada um pode fazer o que quiser, de que a liberdade individual está acima de tudo. Esse sagrado direito de se entorpecer alimentou e fortaleceu o narcotráfico.
El alpinista que se accidentó y no pudo ser rescatado porque el rescate sería arriesgado demasiado nos lleva a pensar sobre la necesidad del comportamiento responsable. En la cabeza de los imbéciles que buscan el riesgo sin necesidad se pasa el mismo que en la de un niño: A de que puede hacer cualquier chiquillada, pues se liando papá e mamá socorrerán prontamente. Un rescate puede ser cuestión humanitaria pero es oneroso y desvía o retrasa el socorro a otros accidentados. Por tanto quien asume actividad de riesgo por mero estúpido placer está perjudicando la sociedad. Es la misma mentalidad de la década de 1960 y 1970, donde el comportamiento depravado llevó a la diseminación del sida, pues esos irresponsables creían que cualquier molestia la ciencia curaría fácilmente. Ese mismo sofisma perduró en relación al narcotráfico: La idea romántica y ingenua de que cada un puede hacer lo que quiera, de que la libertad individual está a cima de todo. Ese sagrado derecho de se entorpecer alimentó y fortaleció el narcotráfico.
Pra nos coagir, persuadir ou induzir a doar sangue (porque o dinheiro já doamos tudo) lançam a imagem de criança, por exemplo. Mas é quase 100% a probabilidade do receptor ser um motorista bêbado.
Para nos forzar, persuadir o inducir a donar sangre (porque el dinero ya donamos todo) arrojan la imagen de niño, por ejemplo. Pero es casi 100% la probabilidad del receptor ser un chofer borracho.
Programação com responsabilidade social. Andam veiculando essa asneira ultimamente. Na maior cara-de-pau aderiram à programação doutrinária. Só falta o catecismo. Com essa asneira de responsabilidade social não existe mais obra de autor. Antes a telenovela era um romance na tela. Hoje é uma barafunda experimental tipo o pseudo-seriado Lost, onde os roteiristas não sabem o que fazer com o enredo. Aconselhar ao uso da camisinha? Botam uma mulher com a filha discutindo à mesa de almoço. O anunciante cervejeiro mandou encaixar uma cena com um pessoal bebendo no bar. Claro que a garrafa bem no centro da mesa, com o rótulo virado à câmera. E assim vai. É por isso que o humor está quase extinto. Só restam pseudo-humoristas que só sabem fazer micagem, trejeito, numa sem-graceira total. E os filmes de fim de ano: Bíblicos ou do tipo judeus bonzinhos contra nazistas malvados. É o reino do politicamente correto, da imbecilidade total. Não admira que haja política de cota. Mas toda essa decadência é proposital. Esvaziar a tevê aberta pra forçar o pessoal a comprar tevê assinada. Por isso tanto moralismo sem nexo, como censurar a banheira do Gugu, postar aviso moralista e exercer cerrada patrulha ideológica. A esses manipuladores nada sutis vale a máxima: Conselho se dá a quem pede.
Programación con responsabilidad social. Andan enseñando esa tontería últimamente. Con el mayor cinismo se juntaron a la programación doctrinaria. Solo falta el catecismo. Con esa tontería de responsabilidad social no existe más obra de autor. Antes la telenovela era un romance en la tela. Hoy es un lío experimental tipo el pseudo-seriado Lost, donde los guionistas no saben qué hacer con el enredo. ¿Aconsejar al uso del condón? Ponen una mujer con la hija discutiendo a la mesa de almuerzo. El anunciante cervecero mandó encajar una escena con una gente bebiendo en el bar. Claro que l botella bien en el centro de la mesa, con o rótulo virado a la cámara. Y así va. Es por eso que el humor está casi extinto. Solo restan pseudo-humoristas que solo saben hacer de mono, gestual, en una sin-gracia total. Y las películas de fin de año: Bíblicos o de la clase judíos buenitos contra nazistas malvados. Es el reino del políticamente correcto, de la imbecilidad total. No admira que haya política de cota. Pero toda esa decadencia es intencional. Vaciar la tevé abierta para forzar la gente a comprar tevé paga. Por eso tanto moralismo sin nexo, como censurar la bañera de Gugú, poner aviso moralista y ejercer cerrada patrulla ideológica. A esos manipuladores nada sutiles valle la máxima: Consejo se da a quien pide.
É como nos sambas de hoje. Com a praga do politicamente correto se quer transmitir muita mensagem doutrinária nos versos de canção. O que resulta em samba com letra forçada, perdendo ritmo e beleza. Transmitir mensagem demais num poema ou canção estraga o verso. Quer transmitir mensagem escrita? Que escreva em prosa. Quer transmitir mensagem em vídeo? Então não filme ficção e sim documentário.
Es como en los sambas de hoy. Con la plaga do políticamente correcto se quiere transmitir mucha mensaje doctrinaria en los versos de canción. Lo que resulta en samba con letra forzosa, perdiendo ritmo y belleza. Transmitir mensaje demasiado en un poema o canción estraga el verso. ¿Quiere transmitir mensaje escrita? Que escriba en prosa. ¿Quiere transmitir mensaje en vídeo? Entonces no filme ficción y si documentario.
Este programa é inadequado a menores de 12 anos. Ou esses avisos de conteúdo em certas páginas da internete. Que critério científico se usou pra estipular a idade recomendável? Alguém já refletiu sobre a asneira que é esse tipo de coisa? São arquétipos, estereótipos e preconceitos que se fixam em nossa mente, via pais e professores, por exemplo, e que nunca removemos, como um parasita ao qual nos acostumamos. Esses preconceitos puritanos têm conteúdo religioso e nada científico. Não me lembro que autor clássico de ficção científica foi o primeiro a dizer que a velha idéia do astronauta ter a cabeça explodindo por cair no vácuo espacial é uma grande asneira. Que fundamento tem achar que criança não pode ver isso ou aquilo? Fundamento nenhum. É justamente esconder a realidade à criança que causa uma série de trauma. É por isso que filho de índio não tem crise adolescente. Psicologia? Essa ciência meio picareta, cujo fundador foi um cara que dizia que as mulheres têm inveja do pênis. Fosse assim e não existiria travesti querendo ser operado, oras bolas! O que passa na tevê aberta que criança não possa ver? Se fala tanto em que tal não pode ser mostrado naquele horário. Mas em qual? Se pode assistir tevê a madrugada toda e é a mesma coisa. Nada tem de mais forte na madrugada. É política de esvaziamento mesmo. Só não enxerga quem não quer.
Este programa es inadecuado a menores de 12 años. O esos avisos de contenido en ciertas páginas de internete. ¿Que criterio científico se usó para estipular la edad recomendable. Alguien ya pensó sobre la tontería que é ese tipo de cosa? Son arquetipos, estereotipos y preconceptos que se fijan en nuestra mente, vía padres e profesores, por ejemplo, e que nunca removemos, como un parásita al cual nos acostumbramos. Esos preconceptos puritanos tienen contenido religioso y nada científico. No me recuerdo qué autor clásico de ciencia ficción fue el primero a decir que la vieja idea del astronauta tener la cabeza explotando por caer en el vacuo espacial es una grande tontería. ¿Que fundamento hay creer que niño no puede ver eso o aquello? Fundamento ninguno. Es justamente esconder la realidad al niño que causa una serie de trauma. Es por eso que hijo de indígena no tiene crisis adolescente. Psicologia? Esa ciencia medio pícara, cuyo fundador fue un tipo que decía que las mujeres tienen envidia del pene. Fuese así y no existiría travestido queriendo tratamiento quirúrgico, ¡oras bolas! ¿Qué pasa en la tevé abierta que niño no posa ver? Si habla tanto en que tal no puede ser mostrado en aquel horario. ¿Pero en cual? Se puede asistir tevé la madrugada toda e es lo mismo. Nada hay de más fuerte en la madrugada. Es mismo política de Vaciamiento. Solo no ve quien no quiere.
Assim ocorre com a pirâmide pra afiar lâmina. Um amigo contou que viu na tevê, no quadro dos caçadores de mito, demonstrar que a história da pirâmide afiar lâmina é falsa. Eu disse que não é, pois que fiz uma de papelão. Se disserem tal coisa sobre o acelerador de partícula terei de engolir porque não posso construir um no quintal mas esse da pirâmide não adianta tentar me engambelar porque fiz uma e faço sempre a barba com a mesma lâmina. O fio virado a cima está sempre afiado. Levei uma a outro amigo, pra experimentar, e disse que ficou mais afiada que uma nova (no caso foi do tipo G-2, enquanto uso a gilete tradicional). Agora estou experimentando um cone em vez de pirâmide e o resultado é o mesmo. Cone é uma pirâmide de infinitos lados. A vantagem cônica é não precisar deixar um lado virado ao norte. E tu, leitor. Em vez de simplesmente acreditar no que supostos cientistas dizem na tevê, procures fazer. Com as palavras-chave piramide modelo se acha, na internete, modelo pra imprimir em papelão.
Así ocurre con la pirámide para afilar lámina. Un amigo contó que vio en la tevé, en el cuadro de los caladores de mito, demostrar que la historia de la pirámide afilar lámina es falsa. Yo dijo que no es, pues que hice una de cartón. Si dijeren tal cosa sobre el acelerador de partícula tendré que aceptar porque no poso construir un en el quintal pero eso de la pirámide no resulta tentar me atrapar porque hice una y hago siempre la barba con la misma lámina. El filo virado a cima está siempre afilado. Llevé una a otro amigo, para experimentar, e dijo que quedó más afilada que una nueva (en el caso fue de clase G-2, en cuanto uso la lámina tradicional). Ahora estoy experimentando un cono en vez de pirámide e el resultado es lo mismo. Cono es una pirámide de infinitos lados. La ventaja cónica es no precisar dejar un lado virado al norte. Y tú, lector. En vez de apenas creer en lo que supuestos científicos dicen en la tevé, procures hacer. Con las palabras-llave piramide modelo se encuentra, en la internete, modelo para imprimir en cartón.
Tem coisa que impressiona pelo fato de vir de fonte surpreendente. O livro História das viagens de descoberta, de Ernst Samhaber, é sobre história convencional. Não é sobre ufo, realismo fantástico e tal. Foi justamente por isso que me chamou atenção a passagem onde o chefe inca recebeu uma bíblia do monge espanhol Valverde, e exclamou: Não sabe falar! (página 192):
 Hay cosa que impresiona por el hecho de venir de fuente sorprendente. El libro Historia de las viajes de descubierta, de Ernst Samhaber, es sobre historia convencional. No es sobre ufo, realismo fantástico y tal. Fue justamente por eso que me llamó atención el pasaje donde el jefe inca recibió una biblia del monje español Valverde, y exclamó: ¡No sabe hablar! (página 192):
 [...]
Como resposta Valverde estendeu ao inca o livro que trazia na mão, a sagrada escritura. O índio, intrigado, virou as folhas daquele objeto desconhecido e, vendo apenas sinais negros incompreensíveis, o levou ao ouvido: Não sabe falar! Assim dizendo, Ataualpa lançou ao chão o livro, acreditando que o monge ria. [...]
[...]
Como contesta Valverde extendió al inca el libro que traía en la mano, la sagrada escritura. El indígena, intrigado, viró las hoja de aquel objeto desconocido y, viendo apenas señales negros incomprensibles, lo llevó al oído: ¡No sabe hablar! Así diciendo, Atahualpa arrojó al piso el libro, creyendo que el monje reía. [...]
Os defensores da teoria da Terra oca argumentam com a aurora boreal, o fato dos aisbergues serem de água doce, etc. Lia Krakatoa, o dia em que o mundo explodiu, de Simon Winchester, um livro científico sobre o desastre da ilha Cracatoa, no estreito de Sonda, vitimada pelo vulcão Perbuatã em 1883, quando uma observação científica me chamou a atenção (páginas 102 e 103):
 Los defensores de la teoría de la Tierra oca argumentan con la aurora boreal, el hecho de los aisbergues ser de agua dulce, etc. Leía Krakatoa, el día en que el mundo explotó, de Simon Winchester, un libro científico sobre el desastre de la isla Cracatoa, en el estrecho de Sonda, victimada por el volcán Perbuatán em 1883, cuando una observación científica me llamó la atención (páginas 102 e 103):
 [...]
Embora a aceitação em grande escala da deriva continental só ocorresse 40 anos completos após a morte de Wegener, Vening Meinesz realizou seus primeiros trabalhos enquanto o pioneiro não-aclamado ainda estava vivo, entre 1923 e 1927. Usou um gravímetro incipiente, que consistia num par de pêndulos que oscilavam em direções opostas, e o montou numa espécie de piriscópio (que consiste em duas argolas montadas ao longo dum eixo, que mantenha suspenso num plano horizontal qualquer instrumento, tal como uma bússola náutica) dentro do tipo de navio mais estável que se poderia imaginar: Um submarino. Então conseguiu que a marinha holandesa, usando submarinos, batizados, um tanto sem imaginação, de Sua Majestade K II e Sua Majestade K XIII, realizasse uma série de mergulho raso ao largo de Java, e descobriu, pra seu espanto, que a mais de 300km das costas sul, tanto de Java quanto de Sumatra, havia uma dramática diminuição na força do campo gravitacional local.
[...]
Sin embargo la aceptación en grande escala de la deriva continental ocurriese apenas 40 años completos después de la muerte de Wegener, Vening Meinesz realizó sus primeros trabajos en cuanto el pionero no-aclamado aún estaba vivo, entre 1923 y 1927. Usó un gravímetro incipiente, que consistía nun par de péndulos que oscilaban en direcciones opuestas, y lo montó nuna especie de piriscopio (que consiste en dos argollas montadas al largo dun eje, que mantenga suspenso nun plan horizontal cualquier instrumento, tal como una brújula náutica) dentro de la clase de navío más estable que se podría imaginar: Un submarino. Entonces consiguió que la marina holandesa, usando submarinos, bautizados, un tanto sin imaginación, de Su Majestad K II e Su Majestad K XIII, realizase una serie de buceo raso al largo de Java, y descubrió, para su espanto, que a más de 300km de las cuestas sur, tanto de Java cuanto de Sumatra, había una dramática disminución en la fuerza del campo gravitacional local.
Essa enorme anomalia gravitacional coincidia precisamente com a existência duma calha profunda e comprida no fundo do mar, conhecida como fossa de Java. Pra termos idéia da profundidade da fossa podemos imaginar alguém se movendo a leste (a bordo dalguma máquina se arrastando no fundo) 2km abaixo da superfície do mar, até chegar a algum lugar ao largo da ilha Christmas. Repentinamente o fundo do mar começa a se inclinar a baixo num declive de 10% ou mais. E continua descendo até a profundidade do mar chegar a, no fundo escuro e gelado da fossa à qual o declive se dirige, de quase 8km de profundidade. Então, abruptamente, o fundo começa a subir [...]
Esa enorme anomalía gravitacional coincidía precisamente con la existencia de una calla profunda e larga en el fundo del mar, conocida como fosa de Java. Para termos idea de la profundidad de la fosa podemos imaginar alguien se moviendo a leste (a bordo de alguna máquina se arrastrando en el fundo) 2km abajo de la superficie del mar, hasta llegar a algún lugar al largo de la isla Christmas. Repentinamente el fundo del mar empieza a se inclinar a bajo nun declive de 10% o más. Y continúa descendiendo hasta la profundidad del mar llegar a, nel fundo oscuro y helado de la fosa a la cual el declive se dirige, de casi 8km de profundidad. Entonces, abruptamente, el fundo empieza a subir [...]
O que sugere que a Terra não é uma esfera maciça, pois se fosse assim o diferencial gravitacional seria insignificante, imperceptível, mas se supondo a Terra como uma bola oca é perfeitamente lógico.
O que sugiere que la Tierra no es una esfera maciza, pues así siendo el diferencial gravitacional sería insignificante, imperceptible, pero se suponiendo la Tierra como una pelota oca es perfectamente lógico.
Imagines uma bola de futebol no espaço vazio. Como se exerceria a gravidade? Em direção ao centro? Não. Em direção à casca. Se fora da bola um corpo pequeno (em relação à bola) seria atraído em direção à casca, como nós na superfície da Terra. Se dentro o corpúsculo seria igualmente atraído em direção à casca, pois a atração gravitacional é exercida pela massa, que é a casca. No caso da fossa submarina os tripulantes do navio estacionado sobre a fossa registraram a diminuição porque tendo ali um rombo, um buraco, a atração da massa embaixo se enfraqueceu por causa da distância e da diminuição de massa, sobrando apenas a exercida pelas laterais da crosta, o que dá uma resultante vetorial de menor intensidade.
Mais uma evidência a favor da teoria da Terra oca.
Imagines una pelota de fútbol en el espacio vacío. ¿Cómo se ejercería la gravedad. En dirección al centro? No. En dirección a la cáscara. Si fuera de la pelota un cuerpo pequeño (en relación a la pelota) sería atraído en dirección a la cáscara, como nosotros en la superficie de la Tierra. Si dentro el corpúsculo sería igualmente atraído en dirección a la cáscara, pues la atracción gravitacional es ejercida por la masa, que es la cáscara. En el caso de la fosa submarina los tripulantes del navío estacionado sobre la fosa registraron la disminución porque habiendo allí un rombo, un agujero, la atracción de la masa abajo se debilitó por causa de la distancia y de la disminución de masa, sobrando apenas la ejercida por las laterales de la crosta, lo que da una resultante vectorial de menor intensidad.
Más una evidencia a favor de la teoría da Tierra oca.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Nos anos 1980 a dupla, ou melhor, o casal argentino Pimpinela fez muito sucesso com uma canção que fez a cabeça da mulherada doida pra chutar o namorado. Mas o que o pessoal não sabe é que foi uma versão censurada pelas feministas. Agora Che Guavira, corajosamente, apresenta a verdadeira história de
Pimpinela – Sigas teu rumo
Cena 1
Faz tanto tempo que ele não liga pra mim...
Faz tanto tempo que tudo deixou de existir...
Agora que eu aprendi a viver esquecendo esse amor
Ele aparece bem tarde, na noite,
E me diz que voltou
Quem é?
— Sou eu.
O que é que você quer?
— Você!
É tarde...
— Por quê?
Porque hoje sou eu quem não quer mais você
Por isso fora!
Esqueças meu rosto, meu nome, esta casa e sigas teu rumo
— Não consigo compreender
Fora!
Esqueça meus olhos, meu corpo, meu beijo e todo meu mundo
— Estás mentindo, posso ver
Fora!
Esqueças que vivo. Está tudo acabado e não te surpreendas
Esqueças de mim
Afinal, pra esquecer tens experiência!
— Fui procurar emoções e por isso parti
— Em busca de sensações que nunca senti
— Ao descobrir que isso tudo era só fantasia voltei
— Pois, na verdade, o que quero e preciso é somente você!
Adeus!
— Ajude-me...
Não quero mais falar
— Penses em mim
Adeus!
— Por quê?
Porque hoje sou eu quem não quer mais você...
Cena 2
Á!, se esse filho-da-puta voltar...
Uma surra levar
Quem é?
— É eu.
Eu já disse não
Não é não, dom-joão!
— Trago estas flores pra ver se me redimo
— Pra ver se teu coração ilumino
— E este artigo científico provando que é culpa do alumínio
Aé? Qualé!, seu mané.
— Pois é. Aqui diz que o alumínio danifica neurônio e faz esquecer
— Por isso trouxe amnésia e me impediu de te ver
— Agora jogarei fora as panelas
E fica elas por elas!?
[pega a vassoura e o enxota]
Fora. Esqueças meu nome esta casa e tuas panelas
Pois que teu negócio é correr atrás doutras donzelas
Cena 3
A vassoura tá no jeito porque esse cara não tem jeito.
Mas se o cara-de-pau voltar irei de novo enxotar.
Quem é?
— Eu, eu.
[abre a gaveta e pega o revólver mas arrepia e fecha]
De novo! Vai levar uma chuva de ovo!
— Quero uma chance. Como bom amante voltei.
Era só o que faltava! Fora! Esqueças meu nome esta casa...
— Peraí, peraí, peraí! Tá muito manjada essa ladainha me passando sabão
— Já vou, já vou. Tá bom.
— Mas primeiro comerei esta caixa de bombom.
— Tem de cupuaçu, tem este de chocolate amargo, chocolate branco, com menta
— Mas meu preferido é este, bem baiano, chocolate com pimenta
Ummmmm. Nham nham nham. Chocolate, é?
Esse amargo parece bom...
Cataratas e cascatas
No domingo se encerrou o torneio de futebol feminino em Araraquara. Modalidade que só se firmou com pressão estrangeira. Vós, estrangeiros, não tendes idéia do quanto é machista este país. E o pior é que tanto eles e elas.
Deu gosto ver um time criado no ano passado arrepiar o poderoso Santos, base da seleção feminina brasileira. O santos entregou o jogo anterior, contra o mesmo Foz Catarata, pra não enfrentar o Palmeiras, supondo que o Catarata seria mais fraco. Sifu! Não fosse ajuda da arbitragem e uma goleira ruim...
Seria bom perguntar a quem paga ingresso o que acha dum time ficar se poupando, achando que pode decidir depois com toda facilidade. Será ético isso?
Mostrou que um esquema tático bem-feito neutraliza essa criatura espantosa que é Marta. É por isso que Marta não é um pelé-de-saia, mesmo porque, infelizmente, não jogam de saia. Falta o equilíbrio emocional, fato evidente em decisões anteriores.
O destino do Catarata lembra o Operário Futebol Clube, de Campo Grande, de 1978, quando não foi campeão brasileiro porque não deixaram, porque um time pequeno não daria bilheteria na copa Libertadores de América. Então o São Paulo veio podendo perder de um, e perdeu.
Hoje o saudoso time luta contra a extinção, numa querela de patente, mas é o de maior torcida no estado, o antigo Mato Grosso. No sul de Mato Grosso, agora Mato Grosso do Sul, só havia os dois times da cidade: Operário e Comercial, de modo que um não podia golear o outro, sendo sempre jogo de compadre.
Não convinha time pequeno ser campeão.
Parece que pouco mudou desde então.
Agora é a vez das mulheres, porque os homens estragaram o futebol.

sábado, 15 de janeiro de 2011


Seleção feminina
O treinador chega e chama todas porque o treino está começando. Todas correm, menos uma, que está se maquiando, penteando...
Treinador: Vamos!, meninas. O treino começará.
Jogadora: Tenho de terminar minha maquiagem. E nem me penteei ainda.
Treinador: O que é isso?! Vai jogar de míni-saia?!
A jogadora com a camiseta em tons verde e rosa e bermuda jim.
Jogadora: É mais sensual. Jogar de calção é muito masculino. Então resolvi recortar o calção e fazer uma saia.
Treinador: Mas como? Ficar diferente do resto do time?
Jogadora: A coisa que eu mais detesto é quando vou a um lugar e tem outra menina com uma roupa igualzinha. Dá vontade de rasgar a roupa dela toda!
Treinador: Ai! Meu-deus! Como pode um time jogar com cada jogador vestido diferente? Tá bom! Tá bom! Te nomeio goleira. Aí pode se vestir diferente. Resolvido!
Jogadora: Legal! Aí poderei pendurar umas coisinhas básicas na trave. E terei tempo pra retocar a maquiagem. Vou já trançar uns babados pra pôr na rede. Ai, mas tem de combinar com o gramado...
Treinador: Ai! Bem que mamãe me avisou que treinar time feminino não é sopa! E esse salto-alto aí no tênis? Onde se viu tênis de salto-alto?
Jogadora: Claro, né? Salto-alto fica muito mais elegante.
Treinador: Nada disso! Como jogar assim? Não dá!
Jogadora: Se a seleção masculina sempre teve jogador de salto alto, até muito perna-de-pau, porque eu não?
Treinador: Tá bom! Vamos treinar cabeçada, que cê tá muito ruim.
Jogadora: Mas não quero dar cabeçada, que estraga todo meu penteado.
Treinador: Larga de frescura! É a decisão da medalha de ouro.
Jogadora: Ai! Medalha de ouro é tão vulgar. Todo mundo ganha. A gente merece, mesmo, é um colar de pérola. Já pensou? Que chique!
Treinador: Anda!, guria. Já tá na hora do treino.
E a vai puxando pelo braço.
Jogadora: Ai! Minha bolsa! Tenho de levar minha bolsa.
Treinador: Que bolsa! Onde se viu jogar de bolsinha? Só se for pra dar no juiz. Vai levar bolsinha, nada!
Jogadora: Peraí! Ao menos um batom, pra retocar a cada bola parada. Puxa! Deveria ter um espelho nos cantos do campo, em vez daquela bandeirinha inútil!
E fica remexendo na bolsa, tirando mil coisas.
Treinador: Celular não. Grampeador não... Chave de trocar pneu! Não!
Jogadora: Essa é que vivo esquecendo de deixar no carro.
Jogadora: Ai! Achei! Esse batom sempre fica lá no fundo. Não é bem a cor que eu queria mas...
Treinador: E essa camiseta extra?
Jogadora: É pro final da partida. A tradicional troca de camisa. Os homens fazem troca de camisa, pra nós é troca de sutiã. Será um sucessão!
Treinador: Assim não dá. Terei de te pôr na reserva.
Jogadora: Aé? Aí todo mundo saberá. Contarei, lá na entrevista da Band, que gosta muito de treinar assim: Com camisa x sem camisa!

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011



Relatório 3
do enviado especial XYZ ao planeta 3
Em missão urgente buscando inteligência
a dom Piqwỹ Lagarrr Urraur nã-Ữluarurr
Governador-geral do sistema Altair
O pessoal daqui não é muito coerente pra eleger as personalidades a admirar. Por exemplo: Criaram um país sem nome. Na falta de nome ora é chamado América, que é o nome do continente, ora Estados-Unidos, que não é nome. Os estados que aderiram tinham o direito de se separar quando quisessem. Então foi dado um golpe pra não se separar mais, e estourou uma guerra civil. O que fez o governante dos estados dominantes, um tal Lincoln? Fez uma guerra pra valer, impondo um governo central no lugar da então confederação. Por isso é tido como uma personalidade histórica, um herói, um homem de ação, que manteve a união do país.
Noutro lado desse planetinha tem um país chamado Índia, que, por coincidência, era dominado pelo mesmo país que dominava a terra de Lincoln. A luta pela independência foi liderada por um homem chamado Gândi, uma personalidade oposta à de Lincoln. Esse era todo bonzinho, pacifista, pregador da resistência passiva. Como alguém assim poderia lutar por independência não sei, mas o caso é que quando nos dois extremos, leste e oeste, nasceu o separatismo o que fez Gândi? Deixou que se separassem, numa boa. Assim a Índia perdeu um pedaço enorme de extensão territorial e ganhou, no oeste, um arqui-inimigo que até hoje disputa tenazmente a Caxemira, um grande território no norte.
Como o povo do planeta 3 pode cultuar igualmente como heróis, ícones, personalidades históricas essas personalidades tão e díspares não consegui entender.
Continuo procurando sinal de inteligência no planeta 3.
Informe 3
del enviado especial XYZ al planeta 3
En misión urgente buscando inteligencia
a don Piqwỹ Lagarrr Urraur nã-Ữluarurr
Gobernador-general del sistema Altair
La gente de aquí no es muy coherente para elegir las personalidades a admirar. Por ejemplo: Criaron un país sin nombre. En falta de nombre ora es llamado América, que es el nombre del continente, ora Estados-Unidos, que no es nombre. Los estados que se unieron tenían el derecho de se separar cuando quisiesen. Entonces fue dado un golpe para no se separar más, y irrumpió una guerra civil. Qué hizo el gobernante de los estados dominantes, un tal Lincoln? Hizo una guerra de verdad, imponiendo un gobierno central en lugar de la entonces confederación. Por eso es tenido como una personalidad histórica, un héroe, un hombre de acción, que mantuvo la unión del país.
En otro lado de eso planetita hay un país llamado India, que, por coincidencia, era dominado por el mismo país que dominaba la tierra de Lincoln. La lucha por la independencia fue liderada por un hombre llamado Gandi, una personalidad opuesta a la de Lincoln. Ese era todo buenito, pacifista, plegador de la resistencia pasiva. Como alguien así podría luchar por independencia no sé, pero el caso es que cuando en los dos extremos, leste e oeste, nació el separatismo qué hizo Gandi? Dejó que se separasen, sin problema. Así la India perdió un trozo enorme de extensión territorial y ganó, en el oeste, un archienemigo que hasta hoy disputa tenazmente la Cajemira, un grande territorio en el norte.
Como el pueblo do planeta 3 puede cultivar igualmente como héroes, íconos, personalidades históricas esas personalidades tan opuestas no conseguí entender.
Continúo procurando señal de inteligencia en el planeta 3.

sábado, 8 de janeiro de 2011


Inclui número 0, ausente até nas biografias
Arquivo suspenso no servidor. O suposto detentor do direito pôs a obra no mercado?
Dia 10 encerra o concurso da cesta de ovo. Até agora a única acertante e única participante é Carolina.
Que vexame, hem pessoal.

domingo, 2 de janeiro de 2011


Relatório 2
do enviado especial XYZ ao planeta 3
Em missão urgente buscando inteligência
a dom Piqwỹ Lagarrr Urraur nã-Ữluarurr
Governador-geral do sistema Altair
O pessoal daqui gosta muito de veranear onde tem água. Um fato estranho é que a fêmea deles não gosta de molhar a cabeça, que é pra não estragar o penteado. Se orgulham tanto da vasta cabeleira a ponto de não deixar molhar. Se é na piscina é porque tem cloro, se é no mar é porque tem sal. Em vez de pular na água, mergulhar, se refrescar, elas ficam só tomando sol pra ficar com a pele mais escura. Não consegui entender como elas se acham valorizadas por terem pele clara mas quando veraneiam esquecem isso e querem que a pele escureça. E sabemos que quando se entra na água fria num dia quente se deve mergulhar o corpo todo. Se deixar a cabeça fora o sangue se concentra na cabeça, podendo causar trombose nas veias finíssimas do cérebro. Talvez por isso elas são tão estabanadas.
Então concluí que eles devem ser mais inteligentes que elas porque quando entram na água não se preocupam com o penteado nem ficam estorricando ao sol. Mas logo vi que não era bem assim. Os machos da espécie costumam se embebedar no veraneio. E o hábito de embriaguez também prejudica a inteligência. De modo que no fim da conta acabam todos ficando burros igual. Então o corpo esquenta e vão refrescar mergulhando. É por isso que tem tanto afogamento: Porque nadam bêbados. Também têm o costume, por farra ou pra se exibir às fêmeas, pular à água do alto duma ponte, dum rochedo, qualquer ponto alto. Só que sem antes verificar se o ponto é o bastante fundo pra isso. Por isso acontece tanto ficarem paraplégicos numa aventura dessa.
Ainda não encontrei sinal de inteligência. Continuo procurando.
Informe 2
del enviado especial XYZ al planeta 3
En misión urgente buscando inteligencia
a don Piqwỹ Lagarrr Urraur nã-Ữluarurr
Gobernador-general del sistema Altair
A la gente de aquí aprecia mucho veranear donde hay agua. Un hecho extraño es que la hembra de ellos no aprecia mojar la cabeza, que es para no estragar el peinado. Si enorgullecen tanto de la vasta cabellera a punto de no dejar mojar. Si es en la piscina es porque hay cloro, si es en mar es porque hay sal. En vez de se arrojar al agua, zambullir, se refrescar, ellas quedan solo tomando sol para quedar con piel más oscura. No conseguí entender como ellas se juzgan valorizadas por su piel clara pero cuando veranean olvidan eso y quieren que la piel oscurezca. Y sabemos que cuando se entra en agua fría en un día caliente se debe zambullir el cuerpo todo. Si dejar la cabeza fuera la sangre se concentra en la cabeza, pudiendo causar trombosis en las venas delgadísimas del cerebro. Tal vez por eso ellas son tan tontas.
Entonces concluí que ellos deben ser más inteligentes que ellas porque cuando entran en agua no se preocupan con el peinado ni quedan quemando al sol. Pero luego vi que no era bien así. Los machos de la especie suelen se emborrachar en veraneo. Y el hábito de embriaguez también daña la inteligencia, de modo que a final de cuenta todos quedan burros igual. Entonces el cuerpo calienta e van refrescar zambullendo. Es por eso que hay tanto ahogamiento: Porque nadan borrachos. También tienen el costumbre, por bullicio o para exhibir a las hembras, se arrojar al agua del alto de una puente, roquedo, cualquier punto alto. Pero sin antes verificar si el punto es lo suficiente fondo para eso. Por eso acontece tanto quedaren paralíticos en una aventura así.
Aún no encontré señal de inteligencia. Continuo procurando.